Passar para o Conteúdo Principal Top
Ambiente Maia
Logótipo da Câmara Municipal de Maia

Sorria, está na Maia!

Ações de Sensibilização

 

Ações de Sensibilização para a Temática da Mobilidade Sustentável

O município da Maia possui em curso um conjunto de ações de sensibilização para a mobilidade sustentável, com vista à promoção dos modos suaves (pedonal e ciclável) e dos transportes públicos coletivos, incutindo na população a adoção de novos hábitos e a consciência da importância da utilização destes novos modos, para a saúde, o ambiente e a economia.

As ações de sensibilização, destinam-se a informar a população para a importância de alterar comportamentos, procurando a inversão da atual repartição modal, em benefício dos modos suaves e do transporte público coletivo, assegurando, deste modo, a execução de algumas das medidas propostas no Plano de Mobilidade Urbana Sustentável do Concelho da Maia, e contribuindo, assim, para a redução de gases com efeito de estufa.

Entre janeiro e setembro de 2018 foram realizadas as ações que se seguem:

 

Concurso da “Bicicleta mais Original

Concurso dirigido ao pré-escolar e ao 2.º ciclo do ensino básico, com o objetivo de promover a utilização da bicicleta, e que envolveu professores, alunos e pais na produção de trabalhos que integraram uma exposição coletiva, em local de grande visibilidade pública.

 

Concurso “A Minha Rua”

Concurso destinado a promover a utilização do modo pedonal nas deslocações de e para a escola dos alunos do ensino pré-escolar e do 1º ciclo do concelho, sensibilizando-os também para as questões de segurança e de aprendizagem de circulação no espaço público. Também estes trabalhos integraram uma exposição coletiva, em local de grande visibilidade pública.

 

Concurso de Fotografia sobre o Espaço Público

Concurso dirigido à população em geral, no qual os concorrentes apresentaram uma fotografia na qual identifiquem um obstáculo/barreira arquitetónica existente no espaço público ou em edifícios de utilização pública, ou em alternativa, uma fotografia ilustrativa de um percurso acessível, acompanhadas de um título alusivo ao tema. Os resultados foram também integrados em exposição coletiva, em local de grande visibilidade pública.

 

Prémio Projeto Acessível no Concelho

Ação lançada no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, centra-se no lançamento de um concurso dirigido a gabinetes técnicos e estudantes para apresentação de projetos acessíveis no município, visando a sensibilização para a inclusão de pessoas com mobilidade condicionada nas suas diversas vertentes (espaço público, edificado, infoacessibilidades ou transportes), o qual será repetido, em função da inexistência de participantes.

 

Ação de sensibilização dirigida aos operadores de transportes públicos

Com o intuito de sensibilizar os operadores de transporte público para as dificuldades de acessibilidade ao sistema de transportes e transporte nos veículos das pessoas com mobilidade condicionada, foi promovido um Workshop com a presença de todos os operadores, para troca de experiências neste domínio.

 

 

Campanha de Sensibilização sobre andar de bicicleta em meio urbano

Dirigida a alunos do 1º e 2º ciclo, de forma a aumentar as competências na utilização da bicicleta e sobre segurança rodoviária nas deslocações cicláveis. Realizou-se em articulação com as forças de segurança do concelho e com os professores tenho a componente prática envolvido também associações de utilizadores de bicicletas locais.

As formações integraram uma componente teórica, na qual se transmitiram as regras básicas de segurança e se exemplificaram boas práticas de utilização do modo ciclável em via segregada e partilhada e realçando as regras segurança nos atravessamentos dos cruzamentos e as regras de prioridade.

 A componente prática realizou-se num circuito estruturado na escola e aos participantes foi entregue uma “Carta de Ciclista”.

 

Ação de Sensibilização sobre a Segurança Rodoviária dos Ciclistas e Peões à População

Ação direcionada à população, na qual se solicitou aos participantes dos percursos a realizar que ficassem atentos aos principais pontos de conflito identificados ao longo da realização do mesmo, tais como o estacionamento ilegal em cima dos passeios, passadeiras mal posicionadas ou necessidade de colocação de novas passadeiras, em locais de elevada frequência de peões, alertando para os comportamentos corretos e incorretos.

 

Campanha “Maia a Pé”

Foi concebido o cartaz e folheto “Maia a Pé”, definindo áreas adequadas à realização de percursos pedonais no centro da cidade da Maia, que liguem os principais polos atractores/geradores de deslocações localizados a distância passível de ser efetuada a pé.

Foram produzidos 300 cartazes, que foram distribuídos pelos estabelecimentos abertos ao público no centro da cidade e 2000 folhetos, distribuídos pela população do centro da cidade, em eventos como a SEM e nos principais equipamentos.

 01

 

Sensores de Monitorização (contagem) de peões e ciclistas no Ecocaminho

No âmbito da promoção dos modos suaves, foram colocados no Ecocaminho, sensores de monitorização de peões e ciclistas, os quais permitirão conhecer melhor os padrões de deslocação por recurso aos modos suaves, por recurso a sistema integrado de contagem de utilizadores de modos suaves (peões, ciclistas, entre outros).

Com esta informação será possível a análise/monitorização integrada da afluência/adesão da população a estes modos, servindo de suporte quer na avaliação das ações que estão em curso, quer ainda no planeamento e estratégia a adotar em ações futuras.

O equipamento instalado integra um Totem informativo e três pontos de contagem (2 fixos e 2 móvel), que permitem, no seu conjunto, mostrar informação, em tempo real, da frequência de utilizadores, com distinção entre peões e ciclistas, com contagem diária e anual, com registo de direção da contagem.

Este equipamento é ainda acompanhado de software de análise que permite a gestão dos dispositivos, a monitorização dos dados e produção de relatórios, com possibilidade de disponibilização pública da informação.

Consulte aqui os resultados

 

Pedonalização e Acessibilidades – Eliminação de Barreiras Arquitetónicas

Em 2018 concluiu-se a obra de requalificação da Zona Desportiva da Cidade da Maia, intervenção que visou o reforço e reabilitação das zonas verdes e dos espaços de utilização coletiva e respetiva valorização paisagística no quarteirão afeto à zona desportiva do centro da Maia. Incide sobre uma área de aproximadamente 6 ha, e o espaço público envolvente, designadamente os passeios, dotando-se de melhores condições de acessibilidade universal.

Em 2018, foram já realizadas intervenções com vista a melhorar a acessibilidade universal, como sejam rebaixamentos de passeios junto às passadeiras, colocação de pavimento táctil na sinalização dos atravessamentos de passadeiras, alargamento de passeiros para as dimensões mínimas regulamentares e execução de passeios onde não existiam, criando continuidades, nas tipologias que se seguem e arruamentos identificados.

  • Eliminação de barreiras arquitetónicas na Rua da Granja, em Águas Santas e Av. D. Manuel II, Av. Altino Coelho e R. Carlos Pires Felgueiras, na freguesia da Cidade da Maia
  • Novos passeios/áreas pedonais na Rua da Granja e Rua da Bajouca na freguesia do Castêlo da Maia.
  • Colmatação de passeios na Rua de Currais, R. Altino Coelho, R. Dr. Gonçalo Araújo, R. 5 de Outubro, na freguesia Cidade da Maia; Rua da Vessada, em Milheirós, Av. do Bairro no Castelo da Maia e R. António Simões, em Pedrouços.

 

Medidas de Acalmia e Ordenamento/Controlo de Tráfego

Execução de lombas redutoras de velocidade nas Rua da Granja, em Águas Santas e na Av. João Paulo II, na freguesia da Cidade da Maia.

 

Requalificação da Zona Desportiva da Cidade

02

Em 2018 concluiu-se a obra de requalificação da Zona Desportiva da Cidade da Maia, intervenção que visou o reforço e reabilitação das zonas verdes e dos espaços de utilização coletiva e respetiva valorização paisagística no quarteirão afeto à zona desportiva do centro da Maia. Incide sobre uma área de aproximadamente 6 ha, e contempla 3 áreas programáticas:

 1) Área envolvente ao Estádio Prof. Dr. José Vieira de Carvalho, tendo sido removidos todos os gradeamentos por forma a garantir uma ligação rápida entre todas as entradas/saídas do quarteirão e a renovação do revestimento vegetal;

 2) Ligação entre os edifícios desportivos, o campo de treinos e o parque de estacionamento, visando a sua requalificação para que seja tirado o máximo proveito de todas as áreas envolventes para a prática desportiva com o estabelecimento de circuitos de prática de desportos – patins, caminhada, corrida, circuitos manutenção, yoga, entre outros.

 3) Espaço vocacionado para o recreio e lazer com zonas destinadas ao recreio ativo e recreio passivo. No que diz respeito ao recreio passivo estão previstos relvados envolvidos por espaços com flor, socalcos com relvados, miradouros, passadiços sobrelevados, lago e caminhos que atravessam o parque. Quanto ao recreio ativo destinou-se uma área de para parque de skate e muro para arte urbana.

Em complemento, foi requalificado o espaço público envolvente, designadamente os passeios, dotando-se de melhores condições de acessibilidade universal.

 

Prolongamento do Ecocaminho – Troço II – Entre as "Avenidas Paralelas" e a estação de Metro de Mandim

04

Até ao final de 2018 serão concluídas as obras do “Prolongamento do Ecocaminho da Maia, desde as "Avenidas Paralelas" (ligação ao Centro da Cidade da Maia) à estação de Metro de Mandim (Área de Acolhimento Empresarial da Maia I)”.

Este projeto pretende dar continuidade à rede de ciclovias urbanas e percursos pedonais, já iniciada, privilegiando a ligação a áreas de elevada procura, como o são as Áreas de Acolhimento Empresarial Maia I e Área de Acolhimento Empresarial a Poente da Cidade da Maia (SONAE) com o principal Aglomerado Urbano do Concelho e interfaces de transporte público coletivo, aproveitando e requalificando canais existentes e valorizando o património edificado associado, travando a sua degradação, seguindo a experiência de outros países europeus, reutilizando o domínio público ferroviário a novo uso.

O Ecocaminho, no Concelho da Maia, possui uma programação de execução faseada por troços. O primeiro troço com uma extensão de 2,8 km, que serve, para além do Centro da Cidade a Área de Acolhimento Empresarial a Poente da Cidade da Maia, onde se localizam, entre outras empresas, a SONAE e o Centro de Distribuição da Modis, e a Estação/Interface da Linha de Metro Parque Maia será agora complementado com uma extensão de 1,5 km, com o intuito de ligação à estação de Metro de Mandim, em pleno coração da Área de Acolhimento Empresarial Maia I.

Pretende-se criar um espaço canal destinado à mobilidade suave quotidiana, de ligação a polos empregadores, efetuando a ligação com interfaces de transporte público coletivo de elevada utilização, no caso as estações de metro Parque Maia, Zona Industrial e Mandim, promovendo a intermodalidade, entre os modos de transporte coletivo público ferroviário ligeiro e rodoviário de passageiros com o modo pedonal e ciclável.

Esta via é dedicada aos modos suaves (pedonal e ciclável), munida de boas condições de apoio e de segurança e de espaços de apoio, sinalética e iluminação, prevendo-se ainda a existência de edifícios de apoio à mesma, os quais devem preferencialmente resultar da reconversão de edifícios existentes associados às memórias do antigo canal ferroviário.

 

Alargamento da área de estacionamento tarifado no Centro da Cidade da Maia

03

No âmbito das ações de concretização do plano de estacionamento do Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia iniciou-se a implementação da medida designada por alargamento das áreas de estacionamento tarifado. Assim, em 2018, procedeu ao alargamento do estacionamento tarifado nos arruamentos envolventes ao Centro da Cidade, designadamente os seguintes: Av. Av. D. Manuel II (prolongamento); Travessa Dr. Augusto Martins; Rua Dom Júlio Tavares Rebimbas; Rua Manuel Faro Sarmento; Rua Ângela Adelaide Calheiro C. Meneses; Praceta Almada Negreiros; Rua Avelino Santos Leite; Rua António Francisco Silva; Rua Joaquim Oliveira Júnior; Av. António Santos Leite (prolongamento); Rua Augusto Simões (prolongamento); Rua Abel de Sousa Fernandes e Rua Argentat, num total de 622 novos lugares, nos quais o estacionamento já se encontra ordenado ao longo dos arruamentos, e onde se verificam elevados índices de procura, assim como índices de procura ilegal significativos, que se pretende colmatar por via da tarifação.

 

Criação de novas linhas de transporte público coletivo de passageiros e Serviço Piloto de Transporte Flexível

 

No âmbito dos trabalhos de preparação da reestruturação da rede de transporte público coletivo de passageiros, em 2018, no município da Maia iniciar-se-á a exploração de uma nova linha, melhorando e aproximando a oferta disponível.

As operadoras Maia Transportes e a A. Nogueira da Costa, a partir de uma linha criada em 2017, darão início à exploração conjunta de uma nova linha, de ligação à Área de Acolhimento Empresarial da Maia I, à Área de Acolhimento Empresarial a Poente da Cidade da Maia da Maia e ao Centro Empresarial da Lionesa, no concelho de Matosinhos, estabelecendo uma ligação às principais linhas de metro que servem o município (no Fórum Maia e em Pedras Rubras), ligando os mencionados polos empresariais ao centro da Cidade da Maia e garantindo intermodalidade com as Linha B e C do Metro do Porto.

Em complemento, a operadora Maia Transportes pretende ainda dar início a um projeto piloto de uma solução de transporte flexível que cubra as áreas do território menos servidas pela rede de transporte público regular.

 

Novo Modelo de Gestão da STCP – Sociedade de Transporte Coletivo do Porto  

Foi celebrado o contrato interadministrativo de partilha de competências entre a Área Metropolitana do Porto e os seis municípios da rede do Serviço de Transporte Coletivo do Porto, nos quais se inclui o Município da Maia, que a par dos restantes municípios passou a participar da gestão operacional da empresa, por um período de sete anos, no pressuposto de que as autarquias conhecem melhor a realidade e necessidade de serviço público do seu território, estando melhor habilitadas a executar medidas que agilizam o uso de transporte público.

 

Promoção do uso do Transporte Público – Campanha Divulgação Custos do Transporte Individual e do Transporte Coletivo

Ao nível do Plano de Transportes Público Coletivos do Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia uma das medidas identificadas para promover a atratividade do transporte público corresponde à sensibilização pública para esta temática.

Em 2018, e tendo presente que as questões económicas constituem uma das prioridades das opções familiares, lançou-se a Campanha Custos do Transporte Individual versus o Custo do Transporte Público, chamando a atenção para os custos reais custos de transporte nas suas deslocações regulares, mediante a tipificação de algumas viagens dos residentes no município da Maia e a comparação do seu custo em Transporte Individual (TI) com o custo em Transporte Público (TP).

Esta campanha, para além da divulgação nos órgãos de comunicação social local e nos suportes de comunicação online do município será ainda suportada na distribuição de um flyer durante a Semana Europeia da Mobilidade, em locais frequentados por utilizadores de Transporte Individual.

 

Instalação de Postos de Carregamento para Veículos Elétricos

Também no domínio da transição para uma economia de baixo carbono, e no que respeita ao veículo individual, pretende-se que progressivamente haja uma transformação da frota para veículos que recorram a outras fontes de energia, como os elétricos. Neste domínio, o município prevê, ainda durante o ano de 2018, e no contexto do Maia Living Lab, integrar o parque de estacionamento do Fórum da Maia com pontos de carregamento elétrico, integrando apoio para o estacionamento e carregamento não só de automóveis, mas também de bicicletas e motociclos elétricos, com o objetivo de promover a mobilidade elétrica.

Adicionalmente serão realizadas ações que pretendem eliminar barreiras e promover o veículo elétrico e modos suaves, nomeadamente através da revisão da regulamentação existente (e.g., estacionamento com desconto de 50% para veículos híbridos e gratuito para elétricos) e adoção de nova regulamentação.

 

Ações com Execução Programada até 2020

Rede de Ciclovia do Centro da Cidade da Maia e de Ligação ao Castêlo

O Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia propõe a criação de uma rede ciclável, contínua e coerente, que contribua para uma transferência modal de um conjunto crescente de utilizadores do concelho da Maia.

Neste sentido, foi desenvolvida uma proposta faseada a concretizar a médio (5 anos) e longo prazo (10 anos).

A proposta de rede ciclável a criar na 1ª fase, ou seja a curto prazo, encontra-se centrada no Centro da Cidade da Maia. A longo prazo, pretende-se ampliar progressivamente esta rede de forma a abranger o setor urbano a este do conjunto de troços relativos à primeira fase de expansão (ver figura seguinte), estabelecendo ligação ao Parque Urbano dos Maninhos, circundando-o por Este, até à entrada a Norte, através da Rua Altino da Silva Gomes. Por outro lado, prevê a extensão da rede até à Zona Industrial da Maia I.

05

A rede ciclável prevista no PMSCM apresenta uma extensão total de 20 km.

Tendo em conta a rede ciclável prevista no PMSCM, procedeu-se ao desenvolvimento do estudo prévio de uma 1.ª fase da rede, cuja definição teve em consideração os princípios de planeamento de redes, designadamente: coerência, legibilidade e acessibilidade, minimização da extensão dos percursos, continuidade dos percursos, atratividade, conforto e segurança.

Assim, e considerando que se concluiu em julho de 2015 a 1.ª fase do Ecocaminho e se prevê avançar a curto prazo com o projeto da 2.ª fase do mesmo, procurou-se criar dois percursos cicláveis circulares, os quais, na sua totalidade, com 7 km de extensão, seguindo-se com o prolongamento para o núcleo urbano do Castêlo da Maia, a que acresce mais 7 km, perfazendo, assim, uma rede ciclável com 14 km.

A rede ciclável permite uma continuidade do percurso, garantindo atratividade pela proximidade a áreas residências, a funções económicas e sociais, a equipamentos (centro cívico, zona desportiva e escolar e área de acolhimento empresarial da Maia I), bem como à rede de transportes públicos coletivos, estabelecendo interface com a rede ferroviária (Metro do Porto) e paragens de transporte coletivo do modo rodoviário.

Em 2018, a Câmara Municipal deu continuidade ao desenvolvimento do projeto de execução para a ciclovia.

 

Rede de Ciclovia de Águas Santas

Em 2018, a Câmara Municipal iniciou a elaboração do projeto de execução referente à construção de um percurso ciclável em Águas Santas, ação inscrita no Plano de Ação da Mobilidade Sustentável do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Maia.

Com esta medida pretende-se a criação de uma  rede ciclável, que contribua para uma  transferência modal designadamente entre a Estação Ferroviária de Águas Santas/Palmilheira, interface de grande importância para a CP - Comboios de Portugal S.A. (e para o qual se antevê um crescimento de importância, considerando o projeto de Duplicação da Linha do Minho), a Rua D. Afonso Henriques e a zona da Escola Secundária de Águas Santas, complementando com as medidas previstas na ação "Melhoria das condições de coexistência dos modos suaves, podendo exigir a eliminação de pontos de acumulação de acidentes entre peões e ciclistas, no núcleo urbano de Águas Santas".

A proposta incide sobre a concretização de uma rede de ciclovias segregadas e integradoras, com condições de conforto e segurança adequadas para os utilizadores deste modo, e desta forma promover a integração do mesmo na cadeia regular de viagens dos residentes e trabalhadores e estudantes no local, que configura um polo de origem de viagens de elevada importância, face à elevada densidade populacional, e com ligações estreitas com 4 municípios que estabelecem fronteira: Porto, Valongo, Gondomar e Matosinhos

 

Projeto de Prolongamento do Ecocaminho – Troço III

Encontrando-se praticamente concluído o segundo troço do Ecocaminho, encontra-se o Município a projetar a sua extensão para Norte, entre a Estação de Mandim e o ISMAI, no Castelo da Maia, pretendendo-se desenvolvê-lo em articulação com a Metro do Porto, criando um espaço canal destinado à mobilidade suave quotidiana, de ligação a polos empregadores, efetuando a ligação com interfaces de transporte público coletivo de elevada utilização, no caso as estações de metro Parque Maia, Zona Industrial, Mandim, Castêlo da Maia e ISMAI, promovendo a intermodalidade, entre os modos de transporte coletivo público ferroviário ligeiro e rodoviário de passageiros com o modo pedonal e ciclável.

Esta via é dedicada aos modos suaves (pedonal e ciclável), munida de boas condições de apoio e de segurança e de espaços de apoio, sinalética e iluminação, prevendo-se ainda a existência de edifícios de apoio à mesma, os quais devem preferencialmente resultar da reconversão de edifícios existentes associados às memórias do antigo canal ferroviário.

 

Projeto de Pedonalização da Praça 5 de Outubro, Castêlo da Maia

A área alvo de intervenção configura o núcleo central e estruturante da designada “Área de Reabilitação Urbana da Vila do Castêlo da Maia” (ARU), Aviso n.º 541/2018, de 11 de janeiro – DR 2ª Série, encontrando-se identificada no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), designadamente no Plano de Ação para a Regeneração Urbana (PARU), como uma das Áreas de Reabilitação Urbana a desenvolver. Esta intervenção integra ainda interações com ações em desenvolvimento no âmbito do Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável (PAMUS), com as quais está em plena articulação, como sendo a Ação 1.1 - “criação e desenvolvimento de uma rede ciclável” e a Ação 1.7 “melhoria das condições de coexistência dos modos suaves”.

A intervenção proposta encontra-se centrada no desenho do espaço público da Praça 5 de Outubro, afetando o espaço público envolvente, como a Rua de João Maia, EN14 – Rua Augusto Nogueira da Silva e Rua Eng.º Frederico Ulrich.

Na Praça 5 de Outubro e Rua de João Maia (desde os entroncamentos da Rua Dr. Fernando Araújo Barros à EN14 – Rua Augusto Nogueira da Silva), importa referir o seguinte:

  • A área de intervenção apresenta inúmeros equipamentos de referência Municipal e até Intermunicipal, conservando ainda, embora com debilidades, o estatuto de antiga centralidade, que se pretende reforçar;
  • A Praça 5 de Outubro será o elemento charneira de toda a intervenção, devido ao contacto direto com a maioria dos equipamentos existentes e previstos (como o Espaço do Cidadão previsto, Museu de História e Etnologia da Terra da Maia, Complexo de Educação Ambiental da Quinta da Gruta, Conservatório de Música da Maia, Monte de Santo Ovídio e Mercado Municipal do Castêlo da Maia) no primeiro raio de influência;
  • Prevê-se a conversão da Praça 5 de Outubro em espaço público qualificado de fruição predominantemente pedonal, de nível, resgatando-a ao automóvel e libertando-a para o acolhimento de usos geradores de mais-valias para o local, como espaços complementares de restauração e entretenimento, que possam funcionar em simbiose com as valências administrativo-culturais concentradas na área.
  • Esta Praça obterá as condições fundamentais para se assumir como um elemento de rótula, centralizador e indutor de potenciais movimentos entre equipamento e/ou estabelecimentos, bem como estimulando a interação direta entre estes e o espaço público contíguo, beneficiando o aparecimento de novas vivências salutares para a dinamização do local e sua imposição como centralidade;
  • O movimento automóvel na Praça 5 de Outubro, será reduzido ao acesso de emergência, cargas e descargas e estacionamento de pessoas com mobilidade condicionada, e processar-se-á em sentido único (poente-nascente), procurando-se reduzir os níveis de poluição atmosférica e sonora;
  • Prevê-se a implantação de arborização pontual, mobiliário urbano inclusivo e iluminação pública eficiente, essenciais ao nível de conforto sustentável que o espaço pretende proporcionar;
  • A proposta para o troço da Rua de João Maia, estenderá os princípios de intervenção implementados na Praça 5 de Outubro, prevendo-se a manutenção do espaço canal, preservando a referência do passado do local;
  • O troço da Rua de João Maia configurará, um arruamento de sentido único, de nível, com mobilidade partilhada entre o peão, o automóvel e a bicicleta, com prioridade para os modos suaves, articulando-se com outros projetos em curso no âmbito do PAMUS, acima referidos;
  • A Rua de João de Maia, entre os entroncamentos com a Praça 5 de Outubro e a Rua Dr. Fernando Araújo Barros, acolherá a implementação de uma baia de estacionamento longitudinal disciplinada, que intercalará o automóvel com arborização de pequeno porte.

Como princípios base da proposta salienta-se a revitalização da centralidade do designado “núcleo urbano do Castêlo da Maia”, tendo-se adotado medidas para a promoção da qualidade de vida da população, promoção da atividade económica através da valorização do espaço urbano, promoção da mobilidade suave, melhoria da qualidade do ar e redução do ruído.

 

Projeto de Melhoria das condições de coexistência dos Modos Suaves

Em 2018, a Câmara Municipal deu início à elaboração dos projetos previstos no Plano de Ação da Mobilidade Sustentável do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Maia designados por Melhoria das condições de coexistência dos modos suaves, podendo exigir a eliminação de pontos de acumulação de acidentes entre peões e ciclistas, nos núcleos urbanos da Cidade da Maia, Castêlo da Maia, Águas Santas e Pedrouços.

O projeto consiste na adoção de medidas de melhoria das condições de coexistência entre os modos suaves, melhorando as condições atualmente existentes, através de alargamento das áreas dedicadas ao peão e ciclista em detrimento do espaço dedicado ao transporte automobilizado, associado à eliminação de pontos de acumulação de acidentes com ciclistas e peões, sempre que tal se manifestar necessário, contribuindo para uma maior segurança e conforto na coexistência de fluxos.

Em primeiro lugar, ao nível da melhoria das condições de coexistência do modo pedonal, prevê-se a criação de uma rede de percursos acessíveis de acordo com o definido no Plano Municipal de Acessibilidade para Todos, ou seja, uma rede que proporcione acesso seguro e confortável às pessoas, sobretudo às pessoas com mobilidade reduzida, que representam mais de 60% do total da população.

Por outro lado, pretende-se ainda uma requalificação do espaço pedonal e ciclável com o objetivo de munir estes espaços de melhores condições de circulação, e, como tal, maior vocação para estes modos.

A tipologia de medidas a aplicar baseia-se no conjunto de soluções tipo apresentadas no Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia, podendo assumir diversas soluções em função das características do local a intervir, e que se revelem necessárias em sede de projeto de execução.

 

Melhoria das condições de acolhimento nas paragens de transporte público coletivo

06

Em 2018, a Câmara Municipal deu também início à elaboração do projeto previsto no Plano de Ação da Mobilidade Sustentável do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Maia designado por Melhoria das condições de acolhimento nas paragens de transporte público coletivo.

O projeto tem como objetivos específicos:

a) Melhorar as condições de acessibilidade, segurança, informação e conforto das paragens de transporte público coletivo;

b) Aumentar o número de utilizadores dos transportes públicos coletivos e dos níveis de satisfação na utilização deste modo;

c) Melhorar a articulação entre operadores de transporte coletivo, e como tal a interoperabilidade no sistema de transportes metropolitano.

O presente projeto compreende a realização das seguintes atividades:

  • Ação 1 - Identificação e uniformização das Paragens de Transporte Público Coletivo Rodoviário;
  • Ação 2 - Intervenções pontuais de eliminação de obstáculos e melhoria do conforto e segurança em Paragens de Transporte Público Coletivo Rodoviário;
  • Ação 3 - Melhoria de informação ao público.