Passar para o Conteúdo Principal Top
Ambiente Maia
Logótipo da Câmara Municipal de Maia

#FiqueEmCasa

Oceanos

Os oceanos cobrem cerca de 70% da superfície da Terra e desempenham um papel fundamental na regulação climática. No entanto, os oceanos também são reféns das alterações climáticas, tornando as suas propriedades físicas e biológicas severamente modificadas. O atual aumento da temperatura e acidificação estão a interferir com a dinâmica dos oceanos desde os trópicos até aos polos.

O aumento da temperatura:

  • Afeta os padrões de distribuição nos oceanos, devido à migração do plâncton para norte;
  • Afeta o ciclo de vida de algumas espécies, pois, os esporos e os ovos têm mais dificuldade em se desenvolver;
  • Faz com que os animais gastem mais energia para respirar e fiquem mais fracos e vulneráveis a doenças;
  • Pode levar ao aumento de “zonas mortas”, isto é, áreas que são inabitáveis para a vida marinha, devido aos baixos níveis de oxigénio;
  • Interfere com os períodos e a duração da migração, com impactes também ao nível da pesca.

 

A acidificação:

  • Interfere com a formação das conchas dos moluscos assim como com os esqueletos dos corais;
  • Altera os índices de fotossíntese das plantas aquáticas.

 

A subida do nível do mar:

  • Afeta a quantidade de luz que chega às plantas e às algas, podendo não ser suficiente para realizarem a fotossíntese;
  • Inunda os habitats costeiros.

 

Água doce

Os rios, os lagos e as zonas húmidas enfrentam grandes pressões desde a poluição à degradação dos habitats. As alterações climáticas provocam mudanças significativas no ciclo da água, aumentando os riscos sobre estes ecossistemas. A quantidade, a distribuição, a época e a qualidade da água são influenciadas por este desequilíbrio e põe em causa o bom funcionamento dos ecossistemas e, consequentemente, das comunidades e da indústria, cujas funções e atividades estão dependentes da água de forma direta ou indireta. As mudanças de temperatura da água e a alteração dos regimes hídricos são alguns dos efeitos globais derivados das alterações climáticas que apresentam consequências distintas consoante o tipo de ecossistema e a região onde se encontra.

De modo geral, as alterações climáticas podem impactar os ecossistemas de água doce através de:

  • Modificações significativas na distribuição de espécies;
  • Declínio populacional ou perda de espécies estenotérmicas frias (espécies que não sobrevivem a grandes variações de temperatura);
  • Alterações nas cadeias tróficas;
  • Maior suscetibilidade à invasão de espécies exóticas;
  • Aumento da produtividade primária;
  • Aumento de problemas de eutrofização;
  • Dessecação temporária dos rios e lagos que se podem tornar efémeros ou desaparecer por completo.