Passar para o Conteúdo Principal Top
Cultura CM Maia
Logótipo da Câmara Municipal de Maia

Sorria, está na Maia!

Altino Maia

Nasceu em Cidadelha, Santa Maria de Avioso, em 1911.

Ainda muito jovem trabalhou como carpinteiro, o que lhe forneceu experiência no trabalho de uma matéria-prima fundamental - a madeira, e domínio no manejo das ferramentas.

Depois, como muitos rapazes da sua família, passou pelas oficinas de santeiro de parentes, onde se iniciou no ofício de escultor. O seu talento, a sua capacidade criadora, o seu vanguardismo, granjearam-lhe algumas antipatias e algumas incompreensões.

No final da década de 30 ingressa nas oficinas gráficas do jornal O Primeiro de Janeiro. Pouco depois inicia os seus estudos na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde concluirá o Curso Superior de Escultura. Será, no entanto, apenas vinte anos depois que apresentará a sua tese, que o júri distinguiu com a classificação de 20 valores.

Em 1943 e 1947 participa, sob a orientação do Profs. Joaquim Lopes em Bragança, e do Prof. Luís Varela Aldemira, em Sintra, nas 7ª e 11ª Missões Estéticas de Férias.

A qualidade do seu trabalho permitiu-lhe ser bolseiro do Instituto de Alta Cultura e da Fundação Calouste Gulbenkian. Com a primeira bolsa estudou em Espanha. Com a segunda, viajou pela Europa, contactando com outras realidades.

Pertenceu ao Grupo dos Independentes, que incluía escultores, pintores e arquitetos, dinamizado por Fernando Lanhas, participando nas suas primeiras exposições.

Exerceu a docência e ocupou cargos diretivos em diversas escolas, não só no Continente Português como em Angola. Participou em muitas exposições, individuais e coletivas.

Tem a sua obra espalhada por vários Museus, coleções particulares e instituições, tais como a Câmara Municipal da Maia, o Mosteiro de Singeverga e o Colégio de Lamego. É também seu o conjunto escultórico da Via Sacra do Santuário dos Cerejais, em Alfândega da Fé.

Pintor, escultor, gravador, foi uma figura multifacetada. Colaborou no suplemento literário do Primeiro de Janeiro, «Das Artes e das Letras», não só com ilustrações, mas também com vários artigos sobre arte, nacional e estrangeira.

Foi um excelente retratista. Utilizando maioritariamente a xilogravura, Altino Maia conseguiu captar rostos fabulosamente expressivos de alguns dos grandes nomes das artes e das letras portuguesas e estrangeiras.

Sérgio O. Sá dedicou-lhe um interessante e importante trabalho intitulado “Altino Maia: o pensar e o fazer de um escultor”.

Altino Maia é um valor sólido e importante da Arte portuguesa do século XX.

JMM