Passar para o Conteúdo Principal Top
Ambiente Maia
Logótipo da Câmara Municipal de Maia

Dicas para uma Vida Mais Sustentável

Água


Estima-se que cada português gaste em média 120 litros de água por dia e que cerca de 80% desta é utilizada no autoclismo, no banho e na lavagem da roupa. Para uma redução no consumo de água, devemos tomar algumas atitudes no nosso dia a dia.

Cozinha e Lavandaria:

  1. Não passe a loiça por água antes de a colocar na máquina. Para melhorar a lavagem, antes de colocar os pratos na máquina, tachos, panelas ou frigideiras, limpe-os com papel. Se necessário deixe-os de "molho".
  2. Evite lavar a loiça à mão. Quando não existe máquina da loiça, dever-se-á encher o lava-loiça apenas com a água necessária. Não deixe a água a correr continuamente.
  3. Reutilize a água que sobrou de cozer ovos, chaleiras elétricas (depois de arrefecida), lavar vegetais, desumidificadores, etc., para regar as suas plantas.
  4. Se puder cozinhe os legumes ao vapor em vez de os cozer em água. Para além de gastar menos água, conseguirá reter mais vitaminas na comida. Também poderá reutilizar a água de cozer vegetais para fazer sopa.
  5. Descongele a comida no frigorífico e não numa bacia com água ou na banca. Para além de poupar água, tem menos probabilidades de criar bactérias. O frio do congelado passa para o frigorífico que terá que funcionar menos vezes, poupando assim alguma energia elétrica.
  6. Preste atenção às fugas de água em torneiras e autoclismos e promova rapidamente as suas reparações.
  7. Sempre que tiver de comprar torneiras, invista nas de baixo caudal ou com filtros (também poderá comprar esses filtros e colocá-los nas torneiras mais antigas). Prefira as torneiras misturadoras ou de monocomando.
  8. Quando lavar roupa, use uma bacia ou um balde em vez de a enxaguar com a água a correr.
  9. Na aquisição de uma máquina de lavar louça ou roupa, deverá ter-se em conta os modelos mais eficientes em termos de economia de água e de energia (eficiência A ou B).
  10. Efetue apenas lavagens com a carga máxima. Uma máquina cheia consome menos água do que duas com a carga incompleta.
  11. Não utilize programas com ciclos desnecessários (pré-lavagem). Selecione os programas de menor consumo de água e energia (ECO).

Casa de Banho:

  1. Prefira os banhos de chuveiro aos banhos de imersão. Um duche normal consome 20 litros em 5 minutos, enquanto um banho de imersão consome cerca de 200 litros. Feche a torneira durante o período de ensaboamento.
  2. Se trocar o seu chuveiro tradicional (13 l/min) por um novo de baixo caudal (7 l/min), uma família de 3 pessoas pode poupar 150 000 l/ano.
  3. Não coloque resíduos na sanita, como cotonetes ou pensos higiénicos. A presença destes materiais nas águas residuais prejudica o seu tratamento. Os cotonetes são ainda especialmente perigosos para o meio ambiente, uma vez que podem acabar por ser descarregados nos cursos de água chegando mesmo a poluir as nossas praias.

Jardins e espaços exteriores:

  1. Nos dias mais quentes, a rega dos relvados e das plantas deverá realizar-se apenas à noite ou de manhã cedo, de forma a se perder uma menor quantidade de água por evaporação.
  2. Devem cultivar-se plantas típicas da região, pois estão melhor adaptadas ao clima, e promover-se a biodiversidade de culturas.
  3. Deve cobrir-se a terra do jardim ou dos vasos de plantas com casca de pinheiro ou outro material. Diminui-se o contacto direto da luz solar com o solo, conservando a humidade da terra e evitando que as ervas daninhas cresçam.
  4. A rega por distribuidores rotativos ou aspersores tem maior eficiência, mas deve haver o cuidado na localização de implantação dos aspersores para que não reguem pátios e entradas. Para otimizar a eficiência da rega com aspersores, deverá ser utilizado um temporizador. Uma correta programação da rega no tempo, pode reduzir consideravelmente os consumos.
  5. Deve realizar o ajuste das cabeças dos aspersores e as ligações às mangueiras de forma a emitirem gotas grandes em vez de um fino spray, o qual evapora mais facilmente. Deve-se equipar todas as mangueiras com uma torneira de fecho automático (estilo pistola ou bico de rodar).
  6. O sistema de rega gota-a-gota é muito eficiente. A rega é feita de acordo com as proporções e os volumes de água necessários. Economiza água, uma vez que não se regam pontos desnecessários, nem em demasia; Economiza tempo e mão-de-obra, por ser uma rega (quase) automatizada; Pode ser aplicada em qualquer tipo de terreno, embora terrenos com alguma inclinação permitam tirar partido da pressão por força da gravidade.
  7. Quando detetar uma fuga de água na rua, nos marcos de incêndio ou numa boca de rega, avise as autoridades e os serviços municipalizados.

Recursos Hídricos:

  1. Proceda regularmente ao controle dos reservatórios de combustível utilizados, por exemplo, no aquecimento central. Em caso de fuga, podem ocorrer infiltrações no subsolo e a consequente contaminação de recursos hídricos naturais.
  2. Efetue a recolha dos óleos usados e leve-os para um dos Ecocentros existentes na Maia.
  3. Não utilize quantidades de detergentes superiores ao necessário. Não lave o chão ou passeios com grandes quantidades de lixívia pois estes tornar-se-ão compostos clorados nocivos que poderão infiltrar-se no solo. Existem no mercado produtos biodegradáveis para a maioria das utilizações domésticas.
  4. O excesso de adubo é um erro muito comum. Utiliza-se frequentemente quantidades superiores aquelas que as plantas podem absorver. As quantidades excedentárias são arrastadas pelas chuvas ou penetram no subsolo. Estes adubos, mais cedo ou mais tarde, vão poluir as águas.

  

 

 


 

Biodiversidade


Para ajudar a preservar a biodiversidade na sua área de residência:

  1. Não colha ou corte nenhuma planta quando for passear num parque ou floresta.
  2. Sempre que for possível promova a plantação de uma árvore de uma espécie autóctone (espécie natural da zona onde será plantada).
  3. Promova e participe na construção de ninhos artificiais ou de comedouros. Estará, assim, a ajudar a preservar algumas espécies de aves.
  4. Compre uma árvore de Natal verdadeira e conserve-a de um ano para o outro. Se for muito grande ofereça-a a um jardim.

 

  

 


 

 

Energia

Iluminação:

  1. Sempre que sair de um compartimento da casa apague a luz. Se possível, instale detetores de presença que desligam as luzes quando uma sala está desocupada.
  2. A escolha da iluminação correta para cada divisão, tendo em conta o tipo de atividades que se realizam em cada espaço, é muito importante para um maior conforto e um consumo mais racional de energia. Para ler procure um local perto de uma janela ou com boa Substitua as lâmpadas de filamento e fluorescentes por LEDs.
  3. Máquina de Lavar a Loiça:
  4. Procure saber qual é o ciclo de lavagem mais curto da sua máquina de lavar a loiça que lhe permita uma boa lavagem da loiça e utilize-o.

Máquina da Roupa:

  1. Faça uma limpeza regular dos filtros da sua máquina da roupa para que o consumo de eletricidade não aumente com a utilização deste equipamento.
  2. Utilize, sempre que possível, programas a baixas temperaturas. Estará, assim, a poupar energia e dinheiro, uma vez que a maior parte da eletricidade gasta numa lavagem é para aquecer a água. Os detergentes no mercado atual, normalmente, garantem uma eficácia de lavagem mesmo a temperaturas baixas.
  3. Na máquina de secar roupa, seque os tecidos leves e os pesados em separado. Desta forma terá toda a roupa seca em simultâneo.

Forno e Fogão:

  1. Quando estiver a aquecer um alimento, coloque a tampa no recipiente que estiver a utilizar para poupar energia.
  2. Mantenha os bicos de gás, as placas e o forno limpos, para que o calor se reflita melhor, consumindo menos energia no processo.
  3. O uso de recipientes de cerâmica ou vidro permite baixar cerca de 25ºC a temperatura necessária ao cozinhado, pois estes materiais retêm melhor o calor.
  4. Verifique se a porta do seu forno veda bem, e não deixa escapar o calor.
  5. Reduza a abertura da porta do forno ao indispensável, pois caso contrário estará a desperdiçar energia.
  6. Ao utilizar o forno, deve desligá-lo algum tempo antes de finalizar o cozinhado, pois o forno manterá a temperatura durante algum tempo.
  7. Se está a ponderar a escolha entre um forno elétrico ou a gás, a opção pelo gás é muito mais económica. Se tiver gás natural, essa poupança é acentuada.
  8. Um forno com ventilação cozinha mais depressa, gastando assim menos energia a cozinhar.

Frigorífico:

  1. Sempre que abrir o frigorífico retire tudo o que precisa de uma só vez e o mais rápido possível, pois 20% do consumo global dos equipamentos de frio são devidos às aberturas das portas. Feche sempre bem a porta do frigorífico. Se ficar aberta haverá um maior dispêndio de energia para manter a temperatura e os alimentos poderão estragar-se.
  2. Verifique se as borrachas do frigorífico estão a vedar bem, entalando uma folha de papel na porta. Se ao puxar a folha não sentir resistência então as borrachas não estão a vedar bem, perdendo-se muita energia para o exterior.
  3. O afastamento do frigorifico de fontes de calor (fogão, janelas) é muito importante para manter a sua eficiência energética, pois quanto mais este aquecer mais vai ter que trabalhar para arrefecer, e consequentemente consumir mais energia.
  4. Evite a acumulação de gelo nas paredes do congelador, através de uma limpeza regular, pois a formação dessas camadas leva ao aumento no consumo de energia.
  5. Faça uma limpeza, pelo menos uma vez por ano, à grelha exterior do frigorífico para evitar grandes acumulações de poeiras e consequente redução na eficiência de arrefecimento do frigorífico, causando maior consumo de energia.
  6. Deixe os alimentos arrefecerem antes de os colocar no frigorífico, para evitar que o frigorífico trabalhe mais para baixar a sua temperatura.

Outras dicas:

  1. Tente isolar as frechas das janelas e portas para evitar perdas de energia em casa. Feche as cortinas para evitar as trocas de calor.
  2. Evite aquecedores com a resistência elétrica à vista, pois o seu consumo é muito elevado e secam demasiado o ar.
  3. Dê preferência a aparelhos com temporizador, para que, por exemplo, não se adormeça com a televisão ligada.
  4. Ao passar a ferro, siga as instruções de temperatura para cada tipo de tecido, passe primeiro as roupas que necessitem de temperaturas baixas e desligue-o um pouco antes de acabar.
  5. Compre de preferência pilhas recarregáveis. Elas necessitam de um carregador de pilhas, mas este ficará pago em poucas utilizações.
  6. No jardim da sua habitação coloque arbustos e vedações nos lados mais ventosos, para cortar o ar frio, tornando o aquecimento mais eficiente durante o Inverno.
  7. Posicione as árvores do jardim a sul e oeste da sua casa, para permitir uma sombra refrescante no Verão durante a parte mais quente do dia.

 

  

 


 

Floresta


Dicas para se sentir em segurança caso more numa Zona Florestal:

  1. Plante árvores que possam contribuir para a contenção mais fácil da linha de um incêndio.
  2. Crie uma zona de segurança, num mínimo de 50 metros, entre a sua habitação e os materiais combustíveis.
  3. Armazene materiais combustíveis em zonas seguras e fora da sua habitação.

Previna Incêndios! Proteja a floresta!

  1. Se estiver numa Zona Florestal, não atire fósforos nem pontas de cigarro para o chão, nem mesmo pelas janelas dos automóveis.
  2. Não faça fogueiras na floresta nem na sua proximidade. Existem locais apropriados para esse efeito.
  3. Ao terminar o seu piquenique não abandone o lixo, recolha-o e deposite-o nos locais e contentores próprios.
  4. Se detetar um incêndio, não hesite em telefonar para a Linha de Alerta de Incêndio – 117 - de forma a avisar as entidades competentes. O seu aviso poderá ser fundamental para que acorram atempadamente ao local do fogo.
  5. Participe ativamente na vigia e proteção das florestas.

Cuidados no Uso de Fogo:

  • Fora do período crítico
    1. A realização de queimadas só é permitida se o índice de risco de incêndio for inferior ao nível elevado.
    2. As fogueiras e as queimas são permitidas desde que não se verifique o índice de risco de incêndio nos níveis muito elevado e máximo. Excetua-se a confeção de alimentos, desde que esta seja realizada nos locais expressamente previstos para o efeito, nomeadamente nos parques de lazer e recreio e outros quando devidamente infraestruturados e identificados como tal.
    3. O lançamento de foguetes e de quaisquer outras formas de fogo em espaços rurais é permitida, desde que não se verifique o índice de risco de incêndio nos níveis muito elevado e máximo. Excetuam-se os foguetes que não produzem recaída incandescente.
    4. Fumar ou fazer lume de qualquer tipo, no interior de áreas florestais ou nas vias que as delimitam ou as atravessam, só é permitido caso o índice de risco de incêndio não se situe nos níveis muito elevado e máximo.
  • Durante o período crítico
    1. A realização de queimadas, ou seja, o uso do fogo em espaços rurais para renovação de pastagens, está interdita.
    2. As fogueiras e as queimas, isto é, o uso do fogo em espaços rurais para eliminar sobrantes de exploração cortados e amontoados, estão interditas.
    3. O lançamento de foguetes, exceto quando não produzam recaída incandescente, e de quaisquer outras formas de fogo em espaços rurais está interdita.
    4. Fumar ou fazer lume de qualquer tipo, no interior de áreas florestais ou nas vias que as delimitam ou as atravessam, está interdito.

 

  


 

Mobilidade


Vivemos inseridos numa sociedade altamente dependente do carro, sendo que isto tem um grande impacto no ambiente! Desta forma, é importante:

  1. Limitar o uso do carro ao estritamente necessário.
  2. Programe as deslocações casa/trabalho de modo a minimizar a utilização do transporte individual, utilizando sempre que possível o transporte coletivo.
  3. Se utiliza transporte particular nos percursos casa-trabalho ou casa-escola e não tem alternativas, procure partilhar o carro com colegas através de um sistema de boleias, para evitar as viagens de automóvel com um só passageiro.
  4. Opte pela bicicleta! Mas sempre em segurança.

  

 


 

Ar


O ar é um recurso tão precioso como qualquer outro, no entanto, tendemos a esquecer-nos da importância de o preservar. De forma a evitar a emissão de poluentes atmosféricos:

  1. Pratique uma condução suave, reduza a velocidade, evite as acelerações e travagens bruscas e desligue o motor do automóvel durante as paragens prolongadas.
  2. Evite derramar o combustível ao abastecer o veículo e não encha o depósito em excesso. Opte por abastecer o depósito do carro a partir do final da tarde.
  3. Na compra de um veículo novo, tenha em consideração a sua eficiência energética e o seu consumo.

Ar Interior:

  1. Promova a utilização de plantas de interior pois elas são importantes auxiliares para purificar o ar em recintos fechados.
  2. Evite as pinturas e limpezas com produtos contendo solventes. Utilize preferencialmente tintas e vernizes de base aquosa e produtos de limpeza sem solventes. Se não conseguir evitar o uso de produtos químicos como solventes e substâncias químicas para jardinagem, limpeza da casa, etc., feche corretamente as tampas dos produtos, permitindo o mínimo de evaporação possível. Assim, evitará a libertação de compostos orgânicos voláteis que, juntamente com a luz solar ou iluminação artificial, potencia a formação de ozono troposférico (O3) com consequências adversas para a saúde.
  3. Deposite o lixo corretamente e logo que possível. Ao despejar o lixo diariamente estará a evitar odores e a contaminação biológica.

 

  

 


 

Consumo


Na hora de comprar um produto existem algumas ações que devemos seguir tanto para proteger os nossos direitos como consumidores, como também cumprir os nossos deveres como cidadãos!


Consumir de Forma ambientalmente Segura:

  1. Doe os produtos/peças de roupa/objetos que já não usa.
  2. Se não tem interesse em receber publicidade não endereçada afixe na sua caixa de correio, de forma visível, um dístico apropriado, contendo uma mensagem clara e inequívoca nesse sentido. O Instituto do Consumidor produziu um autocolante para o efeito, que pode ser solicitado gratuitamente no Instituto, no Gabinete Municipal de Informação e Apoio ao Consumidor – G.M.I.A.C. da Maia e associações de consumidores.
  3. Adquira aparelhos que não utilizem clorofluorcarbonetos (CFCs).
  4. Adote uma alimentação mais rica em alimentos de níveis mais baixos da cadeia alimentar - hortaliças, cereais, legumes e consuma menos carne vermelha. Estará assim a reduzir o uso de recursos naturais na produção alimentar.

Consumir de forma socialmente responsável:

  1. Em todo o mundo já há empresas com preocupações sociais reconhecidas. Prefira produtos que tenham o selo de certificação de responsabilidade social.
  2. Consuma, de preferência, produtos de cariz regional, de forma a fomentar as tradições locais. Evite os produtos que tenham de percorrer grandes distâncias até chegar ao consumidor final (até si!), pois essas viagens significam um acréscimo significativo de energia e recursos consumidos e, consequentemente, maiores impactos ambientais.

  

 


 

Ruído


O excesso de Ruído está intimamente relacionado com a Poluição Sonora, muito frequente na sociedade de hoje, interferindo negativamente com a saúde e qualidade de vida dos cidadãos.

  1. Prefira frequentar locais mais calmos, com menos ruído.
  2. Se viver junto de grandes vias de circulação invista em melhorar o isolamento acústico da sua habitação.

 

 


Solo


O uso correto do solo, assim como a adoção de comportamentos que evitem a sua contaminação, são de extrema importância na preservação de um dos mais importantes recursos naturais. Para evitar a contaminação dos solos:

  1. Evite a poluição dos solos utilizando os ecopontos espalhados pelo município, incluindo os pilhões. As pilhas usadas jamais devem ser guardadas em casa ou depositadas no lixo comum uma vez que libertam metais pesados como mercúrio, Cádmio e Lítio produzindo vapores tóxicos.
  2. Para enriquecer o solo do seu jardim ou quintal, adira à prática de compostagem doméstica. Mesmo que não tenha espaço ao ar livre, existe a possibilidade de reciclar os seus resíduos orgânicos dentro de casa. Assim estará a enriquecer a terra do jardim ou dos vasos sem custos extra e sem recurso a adubos sintéticos.
  3. Não efetue a descarga de águas de limpeza na via pública ou jardim, pois os produtos químicos dos produtos de desinfeção e limpeza acabarão por se infiltrar no solo.
  4. Faça um uso moderado dos pesticidas, pois em excesso acabam por contaminar os solos.

 

 


Espaços Verdes


Para usufruir dos espaços verdes com segurança e civismo:

  1. Se fizer um piquenique numa zona verde destinada para o efeito, ao deixar o local, não abandone os lixos, recolha-o e deposite-o nos locais e contentores próprios.
  2. Não faça lume dentro da área dos parques e dos jardins.
  3. Ajude a preservar os percursos e os equipamentos dos parques e jardins.
  4. Tenha atenção com as crianças para que não toquem em fungos e bagas. Muitos deles são venenosos.
  5. Evite mexer em troncos e pedras que encontre no chão pois por baixo destes pode existir algum habitat e só assim é que poderá contribuir para a sua preservação.

    

 


Resíduos


A elevada produção de resíduos é algo que atualmente levanta muitas preocupações a nível ambiental.
É importante que utilize os caixotes do lixo existentes por todo o município e nunca deite lixo para o chão!
Caso tenha um cão, utilize os contentores próprios existentes para a recolha dos dejetos.
Deixe os espaços públicos como os encontrou. Não se esqueça que estes são de todos!

Siga a política dos 3 R’s pela ordem hierárquica: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
Prefira sempre reduzir os resíduos que produz, como por exemplo optando pela compra de produtos a granel em vez de embalados, ou a utilização de um produto até ao seu fim.
Reutilize utilizando uma garrafa de água de vidro ou alumínio no seu dia-a-dia em vez de garrafas de plástico descartáveis.
Recicle, quando não houver outra alternativa, separando o lixo de forma adequada.

 

  • Reutilizar:
    1. Tente escolher produtos de longa duração e não produtos descartáveis. Opte, por exemplo, por utilizar uma garrafa de água de vidro (ou mesmo de plástico de uso prolongado) ao invés de comprar várias garrafas de água descartáveis.
    2. Sempre que for às compras, leve um saco de casa (sugestão: utilize sacos de pano em vez de plástico).
    3. Guarde os papéis de embrulho e laços de prendas para que os possa utilizar noutras ocasiões. Muitas embalagens podem ser utilizadas pelas crianças para fazer novos objetos.
    4. Utilize o verso das folhas de papel e use os bocados de folhas de papel não escritas para apontar recados, deixar mensagens.
  • Reciclagem:
    1. Sempre que possível, escorra todo o conteúdo das embalagens e espalme-as, de forma a ocuparem menos espaço. Não é necessário passar as embalagens por água.
    2. As embalagens de madeira devem também ser separadas, embora só possam ser depositadas nos ecocentros.
    3. Se usar pilhas descartáveis, não as deite para o lixo. Coloque sempre no pilhão.
    4. Não abandone objetos volumosos na via pública, cuide da sua recolha e contacte a linha verde (800 202 639).